terça-feira, setembro 30, 2014

A mais antiga foto do futebol feminino em Portugal... Amadora de Cascais - 1920.

Imagem: Autor Desconhecido

América: estranho silencio...

Ou o América está mesmo sem comando e entregue às traças, ou, ninguém por lá conseguiu entender a gravidade do ocorrido em seu CT, no domingo pela manhã...

Hoje, terça-feira, nenhuma nota oficial do clube foi emitida e nenhum posicionamento público de nenhum membro de sua diretoria aconteceu...

Nada...

Mesmo que um rapaz de 23 anos tenha saído do CT com uma das mãos em frangalhos, levado às pressas para o hospital por Williman Oliveira, atual responsável pelo marketing do clube e seu conselheiro.

Silencio sepulcral...

É como se nada tivesse acontecido.

Não creio que se fingir de morto numa situação assim, ajude em nada...

Melhor seria, vir a público e dizer o que está sendo feito para coibir que coisas assim se repitam e que atitudes serão tomadas para averiguar quem levou o rojão para interior do CT e quem foi o responsável pelo chamamento da torcida para um ato tão descabido.

1906 - CA Boca Juniors - Primeira Foto.

Imagem: Autor Desconhecido

Justin Fashanu, um homem que preferiu morrer a continuar sendo humilhado...

O texto é longo...

Mas, nenhuma história triste pode ser escrita de outra forma.

Numa manhã de maio de 1998, Justin Fashanu foi encontrado pendurado no teto de uma garagem em Londres, com o pescoço enrolado em um fio elétrico e um bilhete ao lado. Em suas últimas palavras naquele bilhete de suicídio, ele escrevera que a justiça nem sempre era justa com todos e pedia a Jesus Cristo que o recebesse bem "em casa".

Terminava assim a vida do primeiro jogador de futebol profissional a assumir publicamente ser homossexual. Fashanu também foi o primeiro negro a ser vendido por 1 milhão de libras, na Inglaterra da década de 1980. Centroavante clássico, teve uma passagem meteórica pelo Norwich City e outra frustrante pelo Nottingham Forest.

Seu pioneirismo, tanto por ser abertamente gay quanto por ser um negro de sucesso, trouxe consequências terríveis para sua vida. Durante décadas, ele sofreu vários tipos de abuso em um ambiente preconceituoso como o futebol. E recebeu pouquíssimo apoio em uma época em que homossexualidade no esporte era um tabu ainda maior do que é hoje.

Filho de nigerianos, Justin Fashanu e seu irmão John foram abandonados ainda bebês pelos pais biológicos e viveram em orfanatos até serem adotados por uma família branca. Seus amigos de infância dizem que ele tinha dificuldade de se aceitar negro e desejava desesperadamente ter nascido branco. Aos 14 anos, começou nas categorias de base do Norwich City e rapidamente se destacaria como um talentoso centroavante.

Em suas primeiras temporadas como profissional, conseguiu a boa marca de 35 gols em 90 jogos, mas foi depois de um deles que Fashanu foi catapultado ao estrelato do futebol inglês aos 18 anos.

Contra o Liverpool, o então campeão europeu de clubes, o atacante acertou um impressionante voleio, de fora da área, de esquerda, sem chance para o goleiro rival, um lance que foi eleito o gol do ano e retransmitido à exaustão por todos os canais esportivos do país. Naquela altura, o começo dos anos 80, atletas negros não eram incomuns no país, mas Fashanu foi o primeiro ser perseguido pelos grandes clubes.

Não demorou muito para que o Nottingham Forest, que àquela altura estava em um grande momento, o contratasse por 1 milhão de libras – nunca um time inglês havia pagado tanto por um jogador negro.

Bananas

Desde seus primeiros anos da carreira até os últimos, Fashanu sempre foi alvo de ofensas racistas vindas das arquibancadas. Torcedores imitavam macacos quando ele pegava na bola e atiravam bananas sobre seus pés. Um dia, num gesto de desprezo que seria imitado duas décadas depois, ele recolheu uma das bananas do gramado e a comeu para ridicularizar seu ofensor.

Mas foi no Nottingham Forest que ele começou a sofrer as maiores pressões contra a sua sexualidade. Aos 20 anos, ele tinha acabado de se descobrir gay, conforme contou a seu amigo e confessor Peter Tachell, um famoso militante pelos direitos civis homossexuais. O técnico do Nottingham era Brian Clough, um homem famoso por dirigir seus times com mão de ferro e não admitir fraqueza de seus comandados – obrigava os atletas, por exemplo, a caminhar sobre urtigas só para testar sua obediência.

"Uma bichinha." Foi assim que o técnico descreveu Fashanu logo que o atacante chegou ao clube. Naquela época, ele ainda não havia saído do armário, mas já corriam rumores sobre sua sexualidade porque muitos torcedores o avistavam entrando e saindo de boates gays na cidade.

Sabendo disso, o treinador foi ter uma conversa com Fashanu exigindo que ele deixasse de frequentar boates gays. Ele não obedeceu. A relação entre os dois, que já começara turbulenta, nunca melhoraria. Em um treino, querendo mostrar serviço e agradar o técnico, Fashanu foi cobrar um escanteio e Clough berrou: "Eu não paguei 1 milhão para você bater escanteio. Vá para área agora!"

Outro dia, antes de um jogo, o atacante disse que não se sentia bem para jogar e recebeu do treinador um tapa na cabeça. "Sempre que eu falava com ele, ele começava a chorar", lembrou Clough em sua autobiografia. "O que eu podia fazer? Eu era um técnico, não um psicólogo."

Confiando que a causa do desprezo de Cough eram os boatos sobre sua sexualidade, Fashanu inventou um romance com uma mulher e convidou o técnico para conhecê-la. O treinador descobriu a farsa logo no começo do encontro e teve certeza sobre a orientação do jogador.

Nesse ambiente hostil, não surpreende que Fashanu não tenha conseguido repetir em campo seu bom desempenho no ano anterior. Seu nome passou a ser muito questionado no clube.

Ao mesmo tempo, ele tinha dificuldade de aceitar sua própria sexualidade e procurou ajuda no Cristianismo, que considerava seus hábitos pecaminosos. Cansado de viver uma vida dupla, cheia de mentiras, ele cogitou pela primeira vez sair do armário, mas temeu as consequências esportivas da revelação.

Uma séria lesão no joelho dificultou ainda mais seu desempenho em campo, e ele foi vendido pelo Nottingham por apenas uma fração do que o clube havia pagado por seu passe. "Foi o pior dinheiro que nós já investimos em um jogador", diria o treinador Brian Clough.

Saindo do armário

Em 1990, entre mesas de cirurgia e atuações erráticas por clubes menores, Fashanu negociou uma entrevista exclusiva com um tabloide na qual revelava ao mundo que era gay. "Eu queria fazer algum coisa boa, então decidi dar o exemplo e sair do armário", disse ele. A revelação foi recebida de maneira raivosa pelas pessoas de quem ele esperava ter apoio.

Seu irmão John, que crescera com ele e também era jogador, disse que as palavras de Justin envergonhavam a família. O colunista de um jornal voltado à comunidade negra acusou Fashanu de manchar a imagem dos negros na Inglaterra.

As torcidas adversárias acirraram as provocações homofóbicas toda vez que ele tocava na bola. Se por um lado Fashanu tentava tirar sarro das provocações ao respondê-las mandando beijinhos e balançando o bumbum para as arquibancadas, por outro elas o machucavam por dentro, de acordo com seus amigos próximos.    

Gente do futebol dizia que não haveria espaço no esporte para efeminados, enquanto gente de fora do futebol dizia que as alegações de Fashanu eram só um jeito de ganhar atenção da mídia e fazer dinheiro.

Em algumas ocasiões, eram mesmo. Fashanu caiu em descrédito público ao vender entrevistas aos tabloides alegando ter tido relações sexuais com políticos e outros famosos. As alegações foram consideradas falsas depois.

O melancólico final de sua carreira foi marcado mais por sua presença nos tabloides do que por suas atuações em campo, embora ele tenha continuado a fazer gols até os últimos anos.

Nos Estados Unidos, tentando recomeçar como técnico de futebol, ele foi acusado de ter estuprado um adolescente de 17 anos. Em Maryland, o Estado onde ele vivia, a idade mínima de sexo legal entre um adulto e um adolescente era 16 anos. Mas, na época, sexo homossexual era proibido.

Em seu bilhete de suicídio, Fashanu se dizia inocente da acusação de estupro e afirmava que o adolescente havia consentido a relação sexual e tentara lhe extorquir dinheiro no dia seguinte. O ex-jogador acreditava que a Justiça não o julgaria de maneira justa porque ele já havia sido previamente condenado, e por isso, tirava sua vida. "Para não trazer mais sofrimento para a minha família", dizia o bilhete.

Compaixão e sensibilidade

Fashanu era sem dúvida uma pessoa mal resolvida com seus próprios problemas, e o fato de não ter sido aceito pelo ambiente e pela própria família só agravou sua inadequação. Na segunda edição de sua autobiografia, lançada após o suicídio, o técnico Brian Clough afirma que ele deveria ter prestado mais atenção no jogador.

"Quando você descobre um cara tirando a própria vida, um cara que trabalhava com você e por quem você era responsável, você tem que olhar para trás e perguntar o que poderia ter feito melhor e não fez", reflete ele. "Hoje eu sei que deveria ter lidado com Fashanu de um jeito diferente, talvez com mais compaixão e sensibilidade."

Seu irmão John, que hoje tem negócios na Nigéria, um país onde a homossexualidade é um crime, chegou a dizer que Fashanu na verdade não era gay e só saiu do armário porque queria atenção. Mas sua filha Amal, sobrinha de Fashanu, fez um documentário em 2012 no qual discute a homofobia do futebol.

Ela se diz muito orgulhosa de ser sobrinha do ex-atacante do Norwich. Hoje, existe uma campanha em seu nome para combater a homofobia nos gramados e incentivar jogadores a revelarem a sexualidade. Nenhum outro jogador homossexual na Inglaterra se assumiu após Fashanu fazê-lo.

Fonte UOL Esporte.



domingo, setembro 28, 2014

Interpreta direitinho viu seu árbitro... Se errar aí, bye, bye... Só sai com os Fuzileiros Navais.

Imagem: Autor Desconhecido

Domingo triste no CT do América... Se fosse meu filho, lhe perguntaria amargurado... valeu apena?



Hoje pela manhã, torcedores do América deixaram suas casas, suas famílias e foram para o CT de Parnamirim protestar...

Qual o resultado prático do protesto?

Nenhum...

Não me lembro de nenhum protesto de torcida ter transformado equipes ruins em super times, terminada a rebelião.

Porém, o protesto deixou uma marca...

Marca indelével, vitalícia, triste.

Um jovem de 20 e poucos anos, decidiu que deveria tornar o protesto barulhento e acendeu um rojão....

Cometeu algum deslize...

O rojão explodiu em suas mãos e ele, perdeu dois dedos.

Uma pena...

Uma pena que tantos meninos se deixem levar por impulsos emocionais tão estúpidos, tão sem razão...

Daqui a dois meses, os companheiros de protesto nem sequer lembrarão desse domingo, mas o jovem em questão, jamais vai esquecer...

Todas as vezes que olhar para sua mão, lembrará, que em casa, ao lado dos seus, estaria seguro e íntegro.

Só mais uma coisa...

Em campeonatos onde o regulamento preveja subidas e decidas, uma hora ou outra, alguém vai cair....

Assim como alguém, vai subir...

Faz parte do processo.

Pode levar 100 anos, mas vai acontecer...

Se aborrecer por isso, é como ficar a vida toda acabrunhado e deprimido por não aceitar que um dia a morte vem.

Sem nenhuma frescura, mas com muito amor ao esporte...

Imagem: Autor Desconhecido

Globo perde para o Jacuipense por 3 a 1... Complicou.

Não tenho a menor ideia do que aconteceu em Ceará-Mirim, na derrota do Globo para a Jacuipense por 3 a 1...

Soube depois, lendo, que a partida atrasou 35 minutos por falta de médico...

Não me espanta....

O futebol no Brasil é profissional e esse é o típico profissionalismo nacional.

Sobre a partida, creio que o resultado por si só, é suficiente para se chegar à conclusão que já era...

A Série C, acabou para o Globo...

Os planos do empresário Marcone Barreto de levar o Globo em cinco anos para a Série A, vão sofrer um atraso.

Mesmo que a história mostre que sempre pode haver uma possibilidade, não creio que ela aconteça...

Duvido muito que o Globo consiga inverter esse resultado na próxima partida, na Bahia.

Não deixa de ser uma pena.

sábado, setembro 27, 2014

Calculadoras em promoção para americanos e abecedistas... em 12 vezes, sem entrada.

Imagem: Autor Desconhecido

O Icasa com menos um, venceu o ABC por 1 a 0... e quem assistiu perdeu a paciência.

Não esperava nenhum super jogo...

Não imaginava ver deslocamentos, passes perfeitos, dribles desconcertantes e nem tão pouco achei que iria dizer uns três ou quatro vixeeee!!!

Porém, confesso que não esperava ficar repetindo...

PQP, que coisa patética, ridícula, medíocre.

O Icasa foi o que pôde ser.... não precisou se esforçar para ser o que não é capaz de ser.

O ABC não foi nada... 

Não incomodou, não assustou e não jogou.

Nem a expulsão de Lucas Gomes assanhou os “guerreiros” alvinegros...

O que fez o ABC no frigir dos ovos?

Coisa nenhuma...

Ou melhor, ajudou o Icasa a conquistar uma importante vitória e alegrar o sábado de 849 amantes do futebol que saíram de suas casas, pagaram ingresso e assistiram o insosso peladão.

O Pancho Arena está localizado em Felcsút, na Hungria. Capacidade, 4.500 torcedores... Na minha opinião é o mais bonito estádio do mundo.

Imagem: Autor Desconhecido

O América numa sinuca de bico... e que bico.

Comecemos pelo fim...

A primeira divisão, já era...

Foi...

Adeus.

Neste momento, 26 pontos separam o América do quarto colocado...

Amanhã, caso Ponte Preta e Avaí vençam, serão 27 pontos.

Se o Oeste ganhar do Bragantino, os rubros ficam distantes do décimo quinto colocado, cinco pontos...

Pior...

Para que a distância da porta de entrada da zona de rebaixamento permaneça a mesma, o ABC precisa vencer o Icasa...

Vencendo, o ABC coloca nove pontos à frente...

Duro, né?

Mas, se o Icasa vencer, a distância cai para dois pontinhos...

Entretanto, como tudo que está ruim pode piorar, Portuguesa e América Mineiro não estão proibidos de fazer uma graça...

Aí...

Aí, a chapa vai ferver.

Sem querer ser chato...

Vale lembrar que dia primeiro tem o Flamengo e depois, no dia quatro, sábado próximo, o Joinville.

Ah, vou ficar no fim mesmo...

O começo e o meio, foram irrelevantes.

Duro, não?

Futebol na "lagoa"...

Imagem: World Soccer

O América perde outra vez... Vila Nova 1 a 0.

Bola na trave causa frisson...

Eleva a pressão, mas não entra na contagem que define o vencedor.

Gols perdidos, causam irritação...

Irritação, causa destempero e destempero acaba em palavrão...

Só...

Gol perdido não vale para aumentar a pontuação...

Portanto, esse papo que a bola não quis entrar e que muitos gols foram perdidos, serve apenas como roteiro para justificar a lambança e elevar os decibéis nas mesas de bar.

O que vale mesmo, é bola na rede...

Quem fez a bola encontrar a rede foi o Vila Nova, ex-penúltimo colocado da competição.

Dizer que o Vila Nova é fraquinho, ruinzinho, quase indigente...

Diminui o América...

Afinal, quem perde para alguém tão pouco qualificado, não pode ter qualificação.

Resumindo...

O América, correu no primeiro tempo...

Perdeu uma “ruma” de chances e com isso mostrou que a incompetência reina...

No segundo tempo, “brochou”, perdeu o viço e deixou claro que a displicência campeia.

A vitória do Vila Nova foi justa...

Tão justa que seria uma injustiça contestar...

Os dez partidas sem vitória confirmam.

Duro, não?

Real Salt Lake x Colorado... O Campeonado dos Estados Unidos vai ganhando espaço.

Imagem: World Soccer

Quem acusa tem a obrigação de apontar o acusado...

Jussier Santos, tem razão...

Razão de montão...

Quem são os que fazem guerra contra e visam apenas interesses próprios?

Falar sem dar nome aos bois, é maldade, coloca todo mundo no mesmo saco...

Mistura o trigo com o joio e salpica reputações...

Se era para não dizer quem é quem, o silencio cairia como uma luva.

quinta-feira, setembro 25, 2014

ABC... De volta ao passado.

Tá feia a coisa...

Parado a três anos, Gil, ex-atacante de 34 anos, que um dia jogou no Corinthians e que estava mantendo a forma dando voltas em torno do gramado no CT alvinegro foi contratado...

Podiam ter trazido o Túlio ou o Sérgio Alves.

Enquanto isso:

Rogério Marinho diz que não pode errar na contratação do novo superintendente de futebol, mas em relação aos jogadores, não disse nada...

Lampard não comemorou o gol que marcou contra seu ex-clube, o Chelsea...

Imagem: World Soccer

Union Berlin vs RB Leipzig... Segunda Divisão... Estádio Lotado - Gol da Alemanha.


Benfica...

Imagem: World Soccer

O governo federal disse não a CBF...

O governo brasileiro disse não a CBF...

Não vai colocar dinheiro público no Mundial de Clubes que Marco Polo Del Nero e Marin, pretendem trazer para o Brasil em 2017...

Aprenderam, né?

Wembley ao por do sol...

Imagem: GYI/Paul Gilham

Quem se destaca na Série B...

Mauro Cézar Pereira, comentarista e blogueiro da ESPN, publicou levantamento feito através do Footstats, onde o destaque são os jogadores da Série B...

Vai um reforço aí? 


Conheça jogadores que se destacam em alguns fundamentos na Série B


Por Mauro Cézar Pereira

Seja para sair do sufoco, situação do Palmeiras, para brigar com mais elenco pela vaga na Copa Libertadores de 2015, caso do Grêmio, ou planejar a próxima temporada, times da Série A ficam de olho na segunda divisão nacional. 

Os números do Footstats revelam alguns atletas que defendem times da B e se destacam. 

Provavelmente alguns deles estarão em breve na elite. 

Confira.

Assistências: Marquinhos, do Avaí, acumula 10 em 20 partidas. 

Ele também é o jogador que mais deu passes para finalizações que não se transformaram em gols, com 69, média de 3,4 por jogo.

Cruzamentos: Daniel Borges, da Ponte Preta, tem média de 7,2 bolas alçadas por ele na área adversária por peleja.

Desarmes certos: Marrone, do Avaí, e Jonas, do Sampaio Correia, têm, respectivamente, 4,4 e 4,3 bolas bem roubadas a cada cotejo. 

Em números absolutos, Sandro Manoel, do Santa Cruz, lidera com 87, seguindo por Wanderson do América de Natal, com 82, e Bocão, do Avaí, 81.

Finalizações: Jael, do Joinvile, é líder do ranking, seguido por Ricardinho e Magno Alves, ambos do Ceará, com 64 cada. 

Nos arremates certos, o "Magnata" também se destaca com 29, liderando ao lado de Rodrigo Pimpão, do América de Natal.

Gols/finalizações: Contando quem tem pelo menos meia dúzia de gols na segundona, destaque para André Luís do Atlético Goianiense. 

Ele soma sete tentos feitos por meio de 25 arremates, ou seja, precisou de apenas 3,6 tentativas para colocar a bola nas redes. 

Na Série A, Cícero, do Fluminense, tem seis gols e arremata 3,8 vezes para marcar, em média.

Gols sofridos: Gilvan, goleiro do ABC, levou apenas 15 tentos em 21 jogos, média de 0,7, idêntica à de Vágner, do Avaí, com 17 em 23 aparições.

quarta-feira, setembro 24, 2014

Ironman... Pembroke, País de Gales - a água deve ser bem quentinha.

Imagem: GYI/Pablo Blasquez Dominguez

O América está unido ou rachado?

Não faz muito tempo, o vice-presidente Ricardo Bezerra, afirmou que o América estava unido...

Ontem, o presidente Gustavo Carvalho, declarou que existe no América uma guerra de interesses, mas que ele, só tinha um interesse, o América.

Afinal, o que está acontecendo?

A expressão “guerra”, é forte, é contundente...

Desmente a propalada união e deixa fragilizado o clube.

Sangue e suor... a imagem de quem lutou para vencer.

Imagem: GYI/Mark Kolbe

Seria cômico se não fosse hipócrita...

Ontem ouvi muitas palavras sobre honestidade...

Fiquei perplexo...

Não cabiam na boca de quem as pronunciou.

Lewis Hamilton em Singapura...

Imagem: Getty Images/Clive Manson

O América foi a Fortaleza e perdeu para o Ceará por 2 a 0...

Em Fortaleza, o Ceará recebeu o América...

Ganhou...

Olhando a tabela, nada de anormal.

Porém, vendo o jogo é possível contar outra história...

Se no primeiro tempo o Ceará foi superior, no segundo o América segurou a fera e mostrou os dentes.

Infelizmente para os rubros, o placar desfavorável da primeira etapa e a expulsão de Tiago Dutra, pesaram...

Veio segundo gol dos cearenses...

Fim de linha.

Mais um péssimo resultado...

Só não foi desastroso em virtude da completa inapetência dos adversários colocados abaixo.

Porém, existem dois riscos...

Não esqueçam que o Icasa está sub judice...

A qualquer momento pode ser eliminado...

Quem então cairia para a maldita zona?

Por outro lado, o América Mineiro não tem mais a mínima chance de chegar à zona de acesso, mas não está morto...

É perigoso.

Portanto, ou o América começa a correr, ou então, um dos dois bichos pode pegar, morder e deixar profundas cicatrizes.

Na Suécia o futebol é lugar de mulher... caso apareça algum fanfarrão, a polícia resolve sem o menor constrangimento.

Imagem: Gothia Cup

ABC de volta ao lar, vence o Atlético Goianiense e anuncia contratações...

De volta à sua casa o ABC reencontrou a vitória...

Feliz reencontro...

Reencontro que sossega os ânimos e que amplia a distância da sempre temida zona de rebaixamento.

O ABC não foi brilhante...

Muito pelo contrário.

Foi melhor que o Atlético no primeiro tempo, mas apenas por um tempo...

Depois, voltou a claudicar, a ficar encolhido, a esperar...

Espera que deu forças ao adversário.

O Atlético terminou o primeiro tempo, melhor...

Até merecia o empate.

Na segunda etapa, altos e baixos...

Mais baixos que altos.

Nos momentos melhores, o Atlético perdeu chances...

Mas noite era do ABC, que competente, marcou seu segundo gol.

Compras


Pressionados por setores da imprensa, os dirigentes do ABC foram às compras...

Trouxeram Gleidson e Zambi.

Devem colocar mais uns dois no carrinho...

Porém, me parece que a pressa em satisfazer desejos, acabou levando os compradores a buscar produtos em liquidação.