terça-feira, outubro 21, 2014

Domando ondas...

Imagem: GYI/Cameron Spencer

Logo mais, América e ABC dão continuidade a triste série: Todo Ano é a Mesma Agonia...

Logo mais o América entra em campo para enfrentar o Vasco...

O jogo em virtude do horário de verão*, começa aqui em Natal, às 18:30.

Em Joinville, Santa Catarina, às 19:30, horário de Brasília, o ABC joga contra o Joinville...

As equipes do Rio Grande do Norte precisam vencer, mas também, precisam torcer para que o Bragantino perca para Sampaio Corrêa no Maranhão, que o Oeste seja derrotado pelo América Mineiro, em Itápolis, sua casa e que o Icasa não consiga derrotar o Ceará em Juazeiro do Norte.

O problema dos americanos é o maior...

Se vencer e todos os outros vencerem, nada muda...

Vai continuar na mesma situação.

Se perder e todo mundo vencer...

Cai para 18º posição, fica dois pontos atrás do Icasa e vê ABC e Oeste se distanciarem 8 pontos e o Bragantino 9.

Para o América, só melhora, se conseguir derrotar o Vasco e, ou Oeste ou o ABC, seja derrotado.

*Este ano no Brasil o horário de verão vai vigorar entre os meses de outubro e fevereiro...

Os dez estado das regiões, sul, sudeste e centro oeste, mais o Distrito Federal, o adotam...

As regiões norte e nordeste, não alteram seus relógios.

A batalha campal entre sérvios e albaneses em Belgrado...

Imagem: AP/Darko Vojinovic

As torcidas organizadas matam, reinam e ninguém faz nada...

São Paulo registrou em 2014, 3 mortes em 7 confrontos entre torcidas organizadas este ano...

Os dados acima foram apresentado pelo jornalista Ricardo Perrone em seu blog.

Parece pouco, mas na verdade é um número alarmante se levarmos em conta que uma partida de futebol tem como premissa, o entretenimento das pessoas...

Pessoas que em tese deveriam estar se divertindo, curtindo com seus amigos o prazer de torcer por sua equipe preferida, mas que deixam suas casas tomadas por um ódio irracional, dispostas a causar dor e sofrimento.

Ações que reprimam os confrontos não passam de balela e aqueles que acabam detidos, são liberados quase que imediatamente...

Os clubes apoiam.

Odílio Rodrigues, presidente do Santos, defende publicamente o auxílio às organizadas, principalmente com transporte para que seus torcedores acompanhem o time... 

O dirigente santista se recusou a assinar um acordo com o Ministério Público cortando a ajuda.

O Corinthians afirma que o auxílio foi cortado, mas Mário Gobbi, presidente do clube, sentou à mesa com uniformizados e escutou calado o ultimatum para que Mano Menezes fosse demitido...

Tudo isso, depois de invadirem o CT do clube e organizarem um protesto onde ameaças não faltaram.

O Palmeiras cortou a ligação com as organizadas do clube, mas o efeito até aqui, foi nenhum...

Os membros das torcidas organizadas palmeirenses, desafiam as autoridades e provocam seus adversários sem que ninguém responda por tal atitude.

Até quando isso vai durar?

Impossível dizer...

No Brasil, faz tempo, o respeito às leis e aos seus agentes deixou de existir.

Defendendo o último bastião...

Imagem: World Soccer

Adolescente de 15 anos, morre em partida de futebol em Lancashire, Inglaterra...

Melissa Smith, 15 anos, morreu durante um jogo do Cadley FC, sua equipe, contra o Euxton Girls, em Lancashire, Inglaterra, pelo campeonato sub-16 da cidade...

Melissa caiu repentinamente no gramado, dentro da grande área de seu time...

Não havia ninguém ao seu lado, o jogo estava concentrado no campo do adversário.

“Quando a goleira do Cadley começou a pedir ajuda, percebi que era grave e alertei o árbitro que estava de costas e ele, rapidamente interrompeu o jogo e autorizou a entrada dos médicos...”, disse Mick Walsh, técnico do Euxdon Girls.

Melissa foi atendida no gramado, com o uso de um desfibrilador e posteriormente encaminhada ao Hospital Royal Preston, que horas depois, a declarou morta.

"Ela estava conosco havia cinco anos e era querida por todos... companheiras e professores e membros da comissão técnica... estamos todos profundamente chocados...”, afirmou Steve Flynn, presidente do Cadley.

A polícia de Lancashire informou que vai aguardar o resultado da autópsia para dar prosseguimento as investigações para apurar responsabilidades.

domingo, outubro 19, 2014

Nas praias do nordeste... São Miguel do Gostoso/Rio Grande do Norte/Brasil...

Imagem: Fernando Amaral

A CBF substituiu as coleiras de couro, por coleiras de ouro...

Leio no blog do Paulinho a seguinte notícia...

Há algum tempo, as 27 Federações nacionais recebem uma mensalidade que é discriminada como “ajuda de custo”.
R$ 100 mil cada, num total de R$ 2,7 milhões.
Agora, tirante o valor descrito, Marin decidiu que os presidentes destas entidades terão direito a um “salário” pago pela Casa Bandida: R$ 15 mil mensais.
Ou seja, mais R$ 405 mil.
Somados, os valores, anualmente, correspondem a exorbitante quantia de R$ 37.465.000, levando em consideração os doze meses de “ajuda” e os treze (13º incluso) de salários.

A notícia espanta?

Não...

No Brasil nada mais causa espanto...

Perdemos o pudor e cada indecência é justificada com veemência.

A CBF substituiu a coleira de couro pela de ouro e, com isso, garantiu “rabinhos abanando”, sorrisos largos e poder perpetuado.


Liberdade...

Imagem: Fernando Amaral

Enfim, alguém importante reconhece...

"Não é hora mais de fazer um jogo pensando que tem uma baita equipe. Tem que ter muito mais transpiração, raça, força, garra do que qualidade. Porque se tivesse qualidade estava no G-4."

Roberto Fernandes, treinador do América.

Vai embora, vai embora...

Imagem: Autor Desconhecido

E assim caminha o futebol brasileiro...

"Um presidente vem, quebra o clube e, quando sua gestão acaba, ele vai para a sua casa, para a praia e deixa o problema para o próximo.”


“Sem regulamentações sérias, o futebol é o terreno mais fértil que existe para fazer qualquer tipo de falcatrua”


“É só no futebol, por exemplo, que um empregador que deve milhões para funcionários pode contratar mais gente, prometendo outros milhões, que também não vai pagar, e não acontece nada.”

Fernando Prass, goleiro do Palmeiras.

A bola rola, a alma voa e o sonho insiste em sonhar...

Imagem: Autor Desconhecido

O América está a um passo de começar um namoro com a Série C e o ABC, com ciúme, joga seu charme...

Vamos dividir em partes...

Não iguais, pois são situações diferentes.

Parte um...

O América está com os pés na Série C...

Só as mãos o seguram na Série B...

Porém, os pés escorregam e as mãos mesmo que crispadas na maçaneta, talvez não tenham força para arrastar o corpo, agora, pesado, de volta para o aconchego da segunda divisão.

Vencer o Bragantino era o sonho...

Empatar, a meta mais realista...

Entretanto, os rubros perderam e ao perderem viram o adversário se distanciar seis pontos...

Pior, deixaram o Oeste escapar cinco.

A turma insiste que são necessários 17 pontos para ficar...

Eu digo que neste momento, o mais lúcido é correr atrás de oito ou nove pontos e, torcer para que o Oeste não consiga mais que um  ou no máximo dois pontinhos, nas oito partidas restantes.

Sou sincero...

Na conta dos 17 pontos, será preciso 5 ou 6 vitórias ou então, 5 vitórias e 2 empates...

Não consegue.

Portanto, americanos, a esperança é o Oeste não avançar...

Nem um passo, se possível.

Parte dois...

O ABC acreditou que a vitória sobre o Cruzeiro faria tremer o Luverdense...

Não fez...

O Luverdense jogou como jogaria em qualquer circunstância...

Fechadinho, encolhidinho e esperando a chance de beliscar um golzinho...

Beliscou...

O ABC, quando teve a chance, não aproveitou...

Xuxa, perdeu um pênalti...

Pênalti que daria ao alvinegro uma folguinha para respirar, colocar a camisa para dentro do calção e voltar a correr atrás dos pontos necessários para ficar longe da zona de rebaixamento.

Entretanto, a situação do alvinegro, que é preocupante, não é desesperadora, pelo menos, por enquanto...

Correm atrás de suas camisas pretas e brancas, o América, seu maior rival e o Icasa...

Um a cinco casas de distância e o outro, a seis...

Entre eles, está o Oeste, juntinho...

Não creio que por pior que seja a campanha do ABC, seu time ruim, possa ser tão ruim, a ponto de ser ultrapassado pelos três ou por dois dos concorrentes num espaço tão curto de tempo.

sábado, outubro 18, 2014

África do Sul...

Imagem: Autor Desconhecido

O futebol britânico e os 100 anos da Primeira Guerra Mundial...



Em 1914, milhões de homens e mulheres perderam suas vidas nos campos de batalha da Europa... 

Este ano é o ano do centenário do início da Grande Guerra...

A Grã Bretanha e seu Império, mobilizaram 9 milhões de homens, muitos voluntários...

Ao fim da guerra, o império britânico havia perdido 960 mil homens e contabilizava 2 milhões de feridos, entre eles, inválidos permanentes.

Entre os mortos e feridos, haviam atletas de todos os esportes...

Porém, o futebol britânico teve perdas irreparáveis, como as do Heart of Midlothian Football Club, da Escócia...

A equipe considerada à época uma das melhores do mundo, perdeu nos campos de batalha quase todos seus jogadores, titulares e reservas...

O Heart, nunca mais conseguiu retomar a hegemonia que lhe pertencia.

Este ano, o país rememora a guerra e homenageia aqueles que dela participaram.

O Milwall FC, clube da Segunda Divisão, fundado em 3 de outubro de 1885, tomou a decisão de deixar marcada na história sua homenagem...

Os dirigentes do Milwall, conseguiram junto ao exército britânico uma autorização especial para que no dia 8 de novembro próximo, sua equipe entre em campo para enfrentar o Brentford, usando as cores dos uniformes camuflados da tropas britânicas...

A iniciativa visa perpetuar na memória de seus jovens torcedores o respeito e admiração aos homens que doaram suas vidas pela pátria e honrar aqueles que continuam a lutar pela Grã Bretanha.

A renda da partida será doada integralmente o Headley Court, centro de reabilitação de militares feridos em combate... 

O vídeo acima, é o primeiro de uma série de homenagens do Milwall aos soldados de ontem e de hoje.

sexta-feira, outubro 17, 2014

O futebol deveria ser: alegria, fraternidade e liberdade...

Imagem: Autor Desconhecido

Refleções sobre a imprensa esportiva brasileira e seus desvios, nem sempre éticos...

A Imprensa pode comentar a violência dos estádios com isenção?


Por Juan Silvera


Comunicação, Esporte e Cultura


Blog do Grupo de Pesquisa Esporte e Cultura (Faculdade de Comunicação Social/UERJ)


Cadastrado junto ao CNPQ

Qual o grau de responsabilidade que a imprensa esportiva em geral tem perante as atitudes do torcedor no que tange à violência desencadeada por resultados adversos, erros de arbitragem e outros componentes “naturais” que desagradam e frustram as expectativas dos mesmos?

Assistindo ao videoteipe da transmissão da partida válida pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Londres 2010 entre as seleções de Brasil e Coreia do Sul, esta foi prejudicada em duas oportunidades em que a arbitragem deixou de marcar faltas grosseiras contra o time do Brasil, faltas estas cometidas dentro da grande área, o que caracterizaria penalidade máxima. 

A primeira falta ocorreu aos 15 minutos do primeiro tempo – o zagueiro Juan levantou exageradamente o pé e acertou a cabeça do atacante asiático. 

Aos 3 minutos do Segundo tempo, Sandro derruba Bokyung Kim na área, falta mais clara que a primeira, mas o juiz da República Tcheca, nas duas oportunidades, mandou continuar o jogo, fatos que certamente mudariam o desenlace da partida.

Após pesquisar na mídia da época, somente encontrei um artigo do jornalista Carlos Padeiro, da Uol (Universo on Line), comentando os erros do juiz Pavel Kralovec. 

Os outros comentaristas apelaram para a dúvida de interpretação e os fatos foram esquecidos. 

Dúvida é prerrogativa exclusiva do árbitro que tem frações de segundo para decidir e um só ângulo de visão.

A imprensa tem à sua disposição tempo e recursos tecnológicos para dissipar dúvidas. 

O auxilio tecnológico vai desde o número de câmeras de grande alcance com altíssima definição e câmera lenta (na Copa do Brasil 2014 foram 34 câmeras) a recursos espetaculares de computação gráfica, que permitem o esclarecimento de qualquer lance praticamente em tempo real.

Num segundo momento, os mesmos jornalistas fizeram severas críticas ao técnico da equipe chinesa de ginástica que insinuou ter havido favorecimento ilícito a favor do Brasil na decisão da medalha de ouro, na modalidade argolas. 

Foi chamado entre outros adjetivos de “mau perdedor “, o que me leva à reflexão de que se existe mau e bom perdedor, teria de ter também mau e bom ganhador.

Uma decisão que nos favorece sempre leva em consideração fatores humanos. 

Isenta o árbitro que não conta com o “replay” ou estava no momento do lance numa posição desfavorável ou com a visão obstruída, já os erros que nos prejudicam trazem à tona a péssima preparação dos árbitros iluminando a falta de caráter de quem cometeu a falta; isto, se o autor não estiver vestindo a amarelinha, com ela falta de caráter vira malandragem, expertise.

Puxando pela memória, lembro-me de alguns exemplos históricos como os gols convertidos com a mão (uma de Deus) de Maradona contra a Inglaterra no estádio Azteca, em 22 de junho de 1986, pelas quartas de final da Copa do México, e outro do Túlio Maravilha contra a Argentina pelas quartas de final Copa América de 1995 no estádio Atilio Paiva de Oliveira, em 17 de julho de 1995, na cidade de Rivera, Uruguai.

O primeiro é lembrado até hoje como falta de caráter e entra em pauta diversas vezes ao ano, numa tentativa de nunca apagar da memória do torcedor tremenda falcatrua (na Web encontrei mais de 210.000 citações), falta de espírito esportivo, deslealdade e péssimo exemplo para as gerações de atletas em formação. 

O outro (o do Túlio) virou uma peça do folclore, amplamente festejado até por ter sido cometido contra um arquirrival. 

Na transmissão da Globo Galvão Bueno diz: “Ele foi malandro” “Os argentinos vão chorar durante um mês” “Túlio é Maravilha até com o braço” isso reforça a frase de sua autoria: 

“Ganhar é bom, mas ganhar da Argentina é melhor ainda”. 

Mauricio Torres no programa Galeria Gol comenta “…se com o pé ele desperdiça, com o braço ele é brilhante! Maravilha de braço!”.

A ajeitada “manual” que o francês Thierry Henry realizou antes do passe para o gol de Gallas nas eliminatórias da Copa do Mundo da África do Sul, que tirou a Irlanda da competição, foi catalogada como vergonha nacional para os Blues. Irlanda Roubada, diz a manchete do blog de Juca Kfouri e continua: 

“A Irlanda foi vergonhosamente garfada em Paris e perdeu vaga na Copa de 2010 para a França graças a um gol que nasceu de uma matada com a mão de Henry. Tão clara que o francês merece ser punido com a proibição de embarcar para África do Sul”.

Já na ajeitada do Fabuloso Luís Fabiano contra a Costa de Marfim, na Copa da África do Sul, o mesmo jornalista escreveu: 

“Luís Fabiano acaba de fazer um gol de Pelé, simplesmente com três chapéus!!! 

Aos 5. (E com uma matada no braço, admitamos…)” e no final da matéria ao dar nota ao elenco brasileiro escreve: 

“Luis Fabiano; fez dois gols, um com três chapéus (que anula um braço…) nota 8”, já Tadeu Schmidt no programa Fantástico parafraseia o Hino Nacional e diz: 

“Puxa no braço, Luís Fabiano! Domina no braço essa desgraçada!”,“É o gol conseguimos conquistar com braço forte.”, “Luís Fabiano é o Jabulani cheia da semana”.

A entrada “criminosa” de Maradona em Batista, do Brasil, na Copa de 1990 na Itália contrasta com a “precipitação”, de Felipe Mello, ao “atingir” Robben, da Holanda, no jogo de despedida do Brasil nas quartas de final da Copa de 2010, segundo os comentários da imprensa.

A imprensa tem a obrigação de comentar todas estas ações e tratá-las com igualdade e imparcialidade, do contrário é um incentivo à ideia de que levar vantagem é bom e a desabilita a criticar a violência nos estádios com isenção, além de outorgar-lhe uma dose de culpa pela mesma.

Nas fazendas africanas...

Imagem: Autor Desconhecido

Na Taça Sul-Americana, éramos quatro... Agora, um.

As oitavas de final da Taça Sul-Americana de 2014, começaram com quatro equipes brasileiras...

Nas quartas de final, teremos uma:

O São Paulo.

Cabe a gora ao tricolor paulista, limpar a barra do futebol brasileiro, que definitivamente, não assusta mais ninguém.

Esses foram os resultados.

O São Paulo, no Chile, venceu o Huachipato por 3 a 2...

Na partida no Brasil, o São Paulo venceu os chilenos por 1 a 0...

Seguiu em frente.

O Bahia, no Peru, perdeu por 2 a 0, para o Universidad César Vallejo...

Como havia vencido em Salvador, pelo mesmo placar...

Foi para as cobranças de pênaltis...

Perdeu por 7 a 6.

O Goiás, em casa, venceu o Emelec do Equador por 1 a 0...

Como no Equador havia sido derrotado por pela mesma contagem, decidiu a vaga nos pênaltis...

Perdeu por 6 a 5.

No Barradão, o Vitória que empatou com o Atlético Nacional, na Colômbia, foi derrotado por 1 a 0 e foi eliminado sem maiores burocracias.



quinta-feira, outubro 16, 2014

Meninos são pássaros sem medo de voar...

Imagem: Autor Desconhecido

Rafael Sobis em entrevista ao Globo.com, conta como é o mundo real dos boleiros no Brasil...

Em entrevista para o Globo.com, Rafael Sobis, abriu o verbo e disse com muita coragem o que todo mundo sabe e fingi não saber...

Eis um trecho da longa entrevista...

"Muitas vezes minha maior vergonha é estar em aeroporto com uniforme do clube. 

O jogador tem seus defeitos.


Eu estou aqui falando do outro lado, mas jogador gosta de furar fila. Jogador é um bando de mal-educado que ganha dinheiro. 

Isso pela ignorância.


Falam palavrão no avião, sentem-se os donos das coisas. 

E disso tenho muita vergonha.


Se falar com eles sobre um jornal, 90% não vão saber. 

Não pode sentar num banco e conversar sobre eleições. 

Eles não estão nem aí. 

Não pegam um livro, não leem um jornal. 

Pegam o jornal de esportes, veem o que estão falando deles. 

Se falam bem, já vai andar com o vidro aberto.


Muito do que está no futebol hoje é culpa do jogador. 

Jogador só pensa nele. 

Se está bem, fazendo gol, mas o time perde de 2 a 1, está tudo bem. 

É assim que vai. 

E vai ser muito difícil mudar.


É difícil cobrar porque é uma ignorância que vem de baixo.


Não estudou, não teve educação, sofreu, teve problema com os pais.

 Não é tão simples. 

Quando chega lá em cima, tem um dom que é jogar futebol e começa a ganhar dinheiro.


Como eu vou chegar para ele e falar que futebol não é isso, que ele tem de investir dinheiro, viver outras coisas.


O futebol te prende de um jeito que não evolui. 

Aí eles falam que está tudo certo. 

Mas, por dentro, estão pensando: 

Vai para a p…, quer cuidar da minha vida. 

Tenho uma menininha para pegar agora, tenho um camarote. 

Tem uns que escutam, outros não. 

Quando forem mais velhos, vão entender.

Eu tive muitos conselheiros: 

Fernandão, que é meu pai, Clemer, Iarley. 

Eu procurei fazer o que pediam, mesmo sem saber se daria certo.”

A entrevista na íntegra pode ser lida aqui: 

Na várzea...

Imagem: Autor Desconhecido

Copa da África de Nações: o Marrocos está inclinado a não sediar o torneio com medo do vírus ebola...

A Confederação Africana de Futebol está enfrentando um sério problema para realizar a fase final do Campeonato Africano de Nações – o equivalente à Eurocopa e a Copa América.

O Marrocos, temendo o surto do vírus Ebola que se propaga pelo continente africano, havia enviado através do Ministério do Esporte do país, um documento sugerindo à CAF que cancelasse o torneio inicialmente marcado para 2015...

No documento, os marroquinos sugeriram que a fase final fosse postergada para 2016.

Entretanto, o governo marroquino, mudou de posição...

“Como a CAF rejeitou todos os nossos argumentos e sugestões, somos forçados por motivo de segurança dos nossos cidadãos, a considerar o cancelamento da fase final da AFCON 2015, em nosso território. Estamos preparados para assumir todas as consequências que virão após a difícil decisão que estamos sendo forçados a tomar.”

O documento, ainda não retira em definitivo do território marroquino a hospedagem do torneio, mas coloca a CAF contra a parede...

“Nós combinamos de nos encontrar e discutir todas as opções técnicas ligadas ao adiamento... entendemos a as dificuldades da CAF, mas não podemos ser irresponsáveis e desconsiderar o último relatório da Organização Mundial de Saúde, que contém números alarmantes sobre a extensão e propagação do vírus.”

A CAF já trabalha com a possibilidade da África do Sul, sede do torneio em 2013, assumir o lugar do Marrocos, no próximo ano...

O Sudão, já demonstrou o desejo de sediar a competição.

Caso os sul-africanos sejam os substitutos dos marroquinos, em 2015, terão duas Copas Africanas em seguida, pois em virtude da desistência da Líbia em função da guerra civil no país, a África do Sul, foi escolhida para sediar a AFCON 2017.

Fim de tarde em Burkina Fasso...

Imagem: Autor Desconhecido

América e ABC foram dignos e honrados... já o Atlético Mineiro, foi fantástico.

Ah, o velho e bom futebol...

Ao terminar o primeiro tempo no Maracanã, comecei a adiantar o trabalho...

Isto é, escrevi sobre o que estava vendo e sobre o que estava ouvindo.

Deixei tudo prontinho para finalizar quando os árbitros dessem por terminados os confrontos aqui no Arena das Dunas, lá no Maracanã em Minas Gerais, no Mineirão.

Ao fim das partidas, pensei...

Muda tudo...

Mudei.

Enquanto no Arena das Dunas o Cruzeiro, no primeiro tempo, confirmou sem muito suor sua melhor condição, no Maracanã, o Flamengo suou, mas não venceu a marcação bem estruturada que Roberto Fernandes montou para tentar parar o adversário...

Em Natal, a tranca bem montada, segurou o Cruzeiro por 31 minutos...

Um chute indefensável de William derrubou a porta com tranca e tudo e, onze minutos depois, Henrique completou o serviço, ampliando o marcador...

No Rio, Paulinho escapou dos marcadores e partiu para cima...

Foi com vontade, mas precisou de apoio e chamou Isac...

Isac foi, mas o Isac é o Isac e o que era para ser doce, azedou.

Em Minas, no Mineirão, o Corinthians assanhado abriu o marcador logo que a bola rolou...

Vinte minutos depois, o galo empatou e passados sete minutos, Guilherme virou.

Apitos soprados, jogadores recolhidos ao vestiário, fui buscar um sanduíche e abastecer de Coca-Cola, a caneca vazia, mas no caminho pensei...

O América vai precisar sair, mesmo que não tenha ficado grudado na parede, o ABC tem que evitar a goleada e o Atlético, não sei se terá força para ampliar e não sofrer nenhum gol.

Fim do intervalo, bola rolando...

Aos 15 minutos em Natal, Rodrigo Silva diminuiu...

No Rio, três minutos depois, Gabriel, gelou a torcida americana e em Minas, aos 29, Guilherme marcou o terceiro do Atlético...

E agora?

O América vai murchar, o ABC vai crescer e o Atlético, vai conseguir o impensável?

O América não murchou, o ABC cresceu e empatou com Xuxa e, o Atlético foi que foi para cima do Corinthians...

A expulsão de Lázaro – exagerada – não matou o América...

Os rubros estavam decididos a fazer o seu melhor e não se deixaram abater...

Em Natal, o ABC acreditou que era possível e em Belo Horizonte, o Atlético, também.

Quando o Flamengo perdeu por expulsão, Marcelo, o América mesmo sem ter maior posse de bola, correu e deu trabalho...

Ah, Isac, você bem que podia ter tentado cruzar...

Ah, Pimpão, aquela bola era carinho e não porrada.

No Arena das Dunas, Alvinho fez o terceiro e o Cruzeiro certamente se espantou...

Enquanto América se despedia com altivez e o ABC sonhava com mais um golzinho, no Mineirão, os atleticanos que já venciam por 3 a 1, acreditavam...

No fim, deu o que a lógica dizia que iria dar no Maracanã e no Arenas das Dunas, mas o imponderável visitou o Mineirão...

Entretanto, nem os torcedores do América e nem os torcedores do ABC têm motivos para se chatear...

O América fez uma campanha extraordinária na Copa do Brasil...

Já o ABC, beneficiado pelas circunstâncias, cresceu e foi grande quando precisou ser.

A única coisa que deve estar pesando na cabeça de alvirrubros e alvinegros é não conseguir entender qual a razão de suas equipes terem sido tão grandes onde eram para ser menores e tão menores onde devem ser grandes.

Sim, não posso esquecer...

Nas Minas Gerais, o Galo foi imenso, foi forte e vingador.

No fim das contas, a quarta-feira, apesar dos pesares, pode ser considerada como positiva.

quarta-feira, outubro 15, 2014

Ilaria Kaeslin no Mundial de Ginástica Artística...

Imagem: AP/Andy Wong

ABC e América na Copa do Brasil...

A lógica e a razão dizem que as três partidas que serão disputadas logo mais à noite pelas quartas de final da Copa do Brasil, indicam que Cruzeiro, Flamengo e Corinthians devem estar na semifinal com o vencedor de Santos e Botafogo...

Entretanto, não é prudente, descartar o improvável, o imponderável...

Em Natal o ABC que tão bem se comportou na Copa e tanto decepcionou na Série B, vai tentar o feito de virar o jogo contra o Cruzeiro, líder da Série A e considerado por muitos a melhor equipe brasileira, mesmo quando incompleta.

A derrota em Belo Horizonte por 1 a 0, deixa margem para o sonho e, como sonhar não é  pecado, que sonhem então os alvinegros.

No Rio de Janeiro, o América enroscado no pântano da zona de rebaixamento da Série B, mas um tanto aliviado com o favor que lhe fez o Santa Cruz do vizinho Estado de Pernambuco ao derrotar ontem à noite o Bragantino por 2 a 0, entra em campo disposto a confirmar sua ótima campanha na Copa do Brasil e repetir o feito épico contra o Fluminense, quando derrotou em pleno Maracanã, o soberbo tricolor por 5 a 2, depois de ter perdido em Natal por 3 a 0...

É possível?

Sim...

O futebol que tem lógica, mas que ainda não conseguiu se livrar de inesperado, diz em um de seus famosos clichês, que o jogo só acaba quando o árbitro levanta os braços e aponta para o centro do gramado indicando o término do embate.



O senhor de amarelo é corajoso, foi apartar a briga da rapaziada...

Imagem: Autor Desconhecido

Assim é a realidade do futebol brasileiro, mas serve para o resto do mundo, também...

No Brasil os clubes se dividem assim:

Os que nunca jamais e em tempo algum irão representar o país no Mundial de Clubes...

Os que levarão séculos para conquistar o título brasileiro da primeira divisão...

Os que por muitos anos irão brigar para um dia, talvez quem sabe, participar da fase eliminatória da Taça Libertadores da América...

Os que por atalhos chegarão a fase preliminar da Sul-Americana...

Os que eventualmente empurrados pelas circunstância irão ganhar a Copa do Brasil e os que sempre estarão se engalfinhando com seus rivais locais, na briga pelo título estadual.

A Copa do Nordeste é a competição mais equilibrada, mas mesmo assim, não é e nem será fácil, levar a taça para casa.

Aqui, a única obrigação é ser feliz e torcer para que a prefeitura não destrua o "campo dos sonhos"...

Imagem: Autor Desconhecido

O esporte é o caminho mais fácil para transformar uma nulidade em celebridade... alguns em políticos.

Como o esporte constrói um deputado


Por José Cruz

Nos últimos dois anos, a Secretaria de Esporte do Distrito Federal turbinou – no bom sentido, claro – a campanha eleitoral do secretário Júlio César Ribeiro (PRB) à Câmara Legislativa. 

Com 29 mil votos, ele foi consagrado nas urnas em primeiro lugar para deputado distrital.

Júlio, vindo de São Paulo, o advogado Júlio César (foto) está há apenas dois anos em Brasília. 

Chegou indicado pela Igreja Universal para ser secretário de Esporte e garantir apoio dos fiéis e da bancada evangélica ao governador Agnelo Queiroz, que não se reelegeu.

Promessa

“Vim para tornar o esporte de Brasília referência nacional”, afirmou o secretário. 

E disse isso como se na cidade não tivesse gente capaz para tanto. 

Porém, seu desempenho na Secretaria mostrou como cargos públicos se transformam em trampolim para desconhecidos chegarem à política e ali se perpetuarem.

Além do apoio evangélico, boa parte dos votos de Júlio César veio do programa “Compete Brasília”, que doa passagens para atletas da cidade. 

As 300 passagens liberadas em 2011 saltaram para 2.500 em 2013. 

Na prática, o programa “Compete Brasília” é uma forma de usar o dinheiro público para conquistar o atleta desprotegido, fora de um contexto maior de política de esporte de longo prazo. 

O que fazem não é “incentivo”, mas garantia de voto disfarçado de esmola. 

Está clara a pobreza do nosso esporte, propícia para a ação de oportunistas e “criativos” gestores. 

Aleluia!

Júlio César também contou com o apoio de quem trabalha nas “Vilas Olímpicas”, centros desportivos comunitários, 11 em toda capital da República. 

Mas o governo local nunca realizou concurso público para profissionais de vários segmentos, como a educação física, manutenção, técnicos desportivos, por exemplo. 

Quem está ganhando com contratos para prestações de serviços? 

É outra história.

O que se sabe é que as Vilas Olímpicas se tornaram cabides de empregos para eleitores em potencial.

E assim é Brasil afora, onde governos e prefeituras usam o bem público para ancorar seus objetivos políticos. 

Suspeitos objetivos políticos.